Tecnologia

Nos primórdios dos smartphones

Escrito por RafaelMcd

Esta análise data do aparecimento dos primeiros smartphones, ou seus predecessores, em 2005.
“Eu em um site, que cita o Digital Chosunibo, um meio-coreano, a referência a este telefone de Samsung SPH-M4300, cujo principal atrativo é o de contar com conectividade wi-fi integrada. Me parece que tem todo o sentido do mundo. Desde que eu comecei a testar esse tipo de dispositivo chamado smartphone, com o já famoso Nokia 7710, híbrido entre o telefone e o PDA, o meu principal problema não é de funcionalidades do aparelho (tema do que já falarei), mas filosófico: segue me faltando uma das coisas que eu mais peço em um PDA, o acesso wi-fi, com o qual o meu iPAQ continua, claro, viajando no bolso interior esquerdo de minha jaqueta. Isso significa uma duplicação de informação completamente absurda, de maneira que eu considero que certamente estaria melhor como até agora: com um telefone “minimalista”, pequeno e confortável, o suficiente para fazer a ligação por telefone e pouco mais. Mas isso é uma pura consideração pessoal, e pode variar muito em função de preferências, acho que o peso do smartphone só se justificaria se fosse capaz de substituir plenamente o PDA. E, para isso, no meu caso, preciso de um equipamento que me permita ligar a uma rede sem fio, simplesmente, tirando-o do bolso e determinado ao ligar, sem a complexidade do PC.
Por outro lado, parece lógico pensar que o apelo do dispositivo face às operadoras não seja dos melhores, se este, além de ser um telefone, permite a utilização de sistemas baseados em wi-fi que permitem que o usuário recorra a coisas como o Skype para fazer a ligação por telefone sempre que estiver em áreas de cobertura wi-fi, que são cada vez mais amplas. Quer dizer que, se o bem não deve representar um grave problema técnico para Nokia incorporar a conectividade wi-fi, é possível que os hipotéticos acordos posteriores com as operadoras dificultam a saída (via oferta de terminais subsidiados para os usuários de um telefone com aquelas prestações. Mas sobre a existência ou não de problemas deste tipo, não tenho dados de qualquer tipo.
O que sei, depois de algumas semanas de uso, é que sinto falta da conectividade WiFi no meu celular, e ele não conseguiu me fazer deixar de levar meu PDA no outro bolso, coisa que supunha que era o seu principal valor. No fundo, é consistente com o que venho dizendo há muito tempo: os diferentes tipos de redes irão coexistir, e os usuários ou dispositivos escolhidas em cada momento, em função de suas necessidades, o que quiserem usar. Os dispositivos que mais se aproximem a essa multifuncionalidade, serão os que acabem ganhando a batalha pela taxa de bolso.”

Sobre o autor

RafaelMcd

Deixe um comentário